sexta-feira, 17 de maio de 2013

corpo



                Cada mais pequeno traço do meu corpo funciona como uma estrada, que de alguma forma já foi percorrida por alguém ou apenas por mim. Num piscar de olhos consigo recordar imensas imagens já vividas.
               
                Cresceu com o passar do tempo. Tão frágil de início, começou a criar escudos para se proteger das guerras. Guerras difíceis que provocavam lágrimas em vez de sangue. Os que estavam de fora riam-se. Riam-se o mais alto possível porque não eram eles a passar por tragédias como aquelas.

5 comentários:

Pipo Santos disse...

Devias vê-lo! *

B! disse...

Ás vezes o corpo serve de escudo á alma. :/

R:Pois é Hanna, nem sempre conseguem ver quem somos realmente. Secalhar porque nunca encontrei ninguém me olhasse dessa maneira...
O que é que é preciso para entrar nessa parceria? :) Bjnhos**

disse...

tinha saudades de vir aqui, princesinha
e gostei muito do que escreveste, o nosso corpo parece que espelha a nossa alma, não achas?

Carolina disse...

Desde que essas guerras tenham acabado, as tragédias tornam-te mais forte :)

Bolacha de Chocolate disse...

r: eu lembro-me