sexta-feira, 1 de fevereiro de 2013

as minhas palavras


                A caneta deslizava devagar pela folha de papel, sentia um enorme prazer ao ver como as minhas palavras se formavam, uma a uma. Sabia bem ver o poder na caneta, o poder da escrita ali, bem assente na folha, nas linhas. Só queria escrever, encher todas as linhas de palavras sentidas, de pensamentos que permanecem há pouco ou há muito tempo.

                A folha ficou lotada e no final tudo o que fiz foi guardá-la na gaveta. Guardei-a e não me importo se alguém irá ler, sentir ou pensar no que está lá escrito. Podem ler, mas aquelas palavras farão sempre mais sentido para mim do que para qualquer outra pessoa. Podem sentir, mas não como eu senti. Podem pensar, mas não como eu pensei e penso. É meu, tudo o que lá está escrito, até as vírgulas e os espaços. Tudo. Podem ler, partilhar, mas jamais dizer que sentiram tudo o que senti ao escrever aquilo, sentir o deslizar da caneta que permanecia entre os meus dedos. Os sentimentos a formaram-se em palavras que qualquer um pode ler. Tornar algo meu em algo vosso, é como pegarem no meu coração e colocarem no vosso peito, gritando o mais alto possível jurando que vos pertence.

                Sintam as palavras que as minhas palavras transmitem. Todos nós sentimos, mas não da mesma forma. Só não digam que a tinta que está na folha é da vossa caneta, e que aquela letra é a letra com que escrevem todos os dias, quando sabem perfeitamente que tudo aquilo pertence a um coração que não é o vosso.

19 comentários:

Bernardo disse...

desafio para ti no meu blog :)

Olívia M. disse...

Gostei!

Aurora disse...

Gostei imenso, princesa

Lúcia Pereira disse...

muito obrigada. não dá mesmo atenção nenhuma aos conselhos que lhe dou :s

Lúcia Pereira disse...

obrigada. desejo-te o mesmo !
é muito teimoso mesmo , infelizmente xs

Aurora disse...

Obrigada <3

Lúcia Pereira disse...

de nada querida!

Carolina disse...

Muito bom!

beatrizpereira disse...

adoreeei !

mya. disse...

Obrigada querida :)
Adorei o que escreveste, está realmente sentido.

Marcela disse...

Boa sorte então ;)

Catarina. disse...

diz tudo, adoro*

Magálena disse...

é ás vezes custa, mas temos de aceitar q nem smp gostam de nós como gostamos deles/as

footstep disse...

Epá, grande texto. Muito bonito e bem escrito. :)

Comigo acontece-me algo parecido (a caneta ganha vida própria e parece que escorrega eheh) porque é tão raro escrever com caneta, que algum dia para assinar tenho que assinar de cruz, ou com o dedo, como os velhos para receberem a reforma na Caixa Geral de Depósitos. eheheh

Ana disse...

Adorei!

Maíra Cunha disse...

Como é gostoso deslizar a caneta no papel e transferir para ele todo o sentir!

fazdecontatxt.blogspot.com.br

beatrizpereira disse...

muito obrigada sweet

R. Vieira disse...

Que lindo!!!
Tocou-me fortemente.
Esta relação íntima com as palavras é mágica!


Um beijo flor!

Nini disse...

Mais um grande texto! A sério, cada vez gosto mais de vir aqui ler as coisinhas que escreves, pois conseguem, tu consegues, sempre surpreender-me! Adorei! :)